terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Tempo do poema


O tempo do poema passava tão suave que fazia cocega no passado e alegrava o presente!

Manu Kelé!

Nenhum comentário:

Postar um comentário