segunda-feira, 23 de junho de 2014

Palavra pele

A palavra tocou na minha pele
Que se revele a ancestralidade
Pai Francisco
Mãe Maria
Jorgina
Guias varias cores
Que os tambores dancem
Em amores de sons
Gerados na alegria dos dons
Resistidos
Seguidos
Gerados na raiz do continente materno.

Manu Kelé!

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Quem te criou?

O peso das palavras não cabem nesse leve verso,
Por isso te peço,
Guarde calado(a) sem voz as cores do céu,
Respire o som e perfume das flores,
Encerre as dores do mundo,
Com o mais profundo e concreto gesto,
Ame-se como ao amor que te criou!

Manu Kelé!

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Poema para serenar

Serena,
Dança da água no ar,
O mar do desejo deságua na fartura,
Rapadura, mel, farinha, castanha, caju,
Quando tu nasceu foi linda festança,
A esperança dourava o sol com carinho,
O povo,
O caminho,
Ficaram verdes de felicidade.

Manu Kelé!

terça-feira, 17 de junho de 2014

Encantamento do viver

Quando o sol dourar o amanhecer,
Não esqueceremos das noites,
Nem dos sertões,
Os corações estarão vadiados,
Em versos tortos destoados da normalidade,
Na minha idade sentir o azul,
Não é simplesmente voar na cor,
É abraçar com os olhos da alma,
O saboroso encantamento do viver.

Manu Kelé!

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Calmaria

Há calmaria de palavras no mar do poema. A poesia nesse momento silencioso, são as cores das estrelas que fazem musica para os meus olhos.
 Manu Kelé!

domingo, 15 de junho de 2014

Chove palavra?

Nem todo dia chove palavra,
Por isso não brotam versos nos jardins?
Uma borboleta se perguntava aflita,
Enquanto afirmava:
-Tem dias que as horas perdem as cores, pois nessa cidade a fumaça dos carros é o ar que respiramos,
Barulho,  buzina de esquina em esquina quase não resta uma flor, as palavras de bom dia são esquecidas, enquanto o medo supera quaisquer outros sentimentos que possam fazer brotar poesia.
Mas ela não conseguia perder a esperança e numa dança suave do pensamento colheu no vento uma nova frase brotada do seu coração natural e disse:  Acho que amar é o sentimento mais normal, o ódio e a dor não fazem parte de borboleta ou flor, é preciso continuar tendo fé na inspiração.

Manu Kelé!


sexta-feira, 13 de junho de 2014

Quilombo perfeito

Me sinto suave como uma nuvem cigana,
Você não me engana com palavras pesadas,
De cortar o coração,
Minha emoção é mais voltada para o céu de acordes dissonantes,
Lugar onde pássaros coloridos adivinham a paz,
E aí rapaz pra você que pensa que trabalhar é tudo,
Fico é mudo com o balanço do mar,
É que silenciar me faz produzir muito mais,
Do que trabalhar ao sol da exploração,
Então nessas épocas de temporais liberdade,
Quero mais é fazer um perfeito quilombo  ,
E sentir no meu peito  somente o peso leve do amor.

Manu Kelé!

Sede de palavras

Tenho sede de palavras doces,
Tenho medo de palavras ruins,
Tenho gosto de palavras coloridas,
Tenho visto palavras tristes,
Tenho acordado palavras quentes,
Tenho dormido palavras frias,
Tenho encantado palavras de amor,
Tenho sofrido palavras de dor,
Tenho esquecido palavras de saudade,
Tenho lembrado palavras de idade,
Tenho seguido palavras de verdade,
Tenho construído palavras poemas,
Tenho voado palavras de imaginação,
Tenho aguçado palavra de coração de poeta em mim.

Manu Kelé!

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Verso enluarado

Quero pegar em palavras macias,
Com sabor de hortelã,
Desejo paz pra meus amigos e minha irmã,
Quero palavras molhadas de refrescar poema,
Quero me banhar no mar  do teu desejo,
Que o teu beijo seja o melhor caminho de construção do nosso prazer,
Quero te dizer te amo,
Desde a manhãzinha até o anoitecer  desse verso enluarado de inspiração,
De encantar o coração,
Com gosto bom de se comer.

Manu Kelé!

segunda-feira, 9 de junho de 2014

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Fogo do amor

Esse fogo do amor que não se apaga,
Colori o céu do sentir todos os dias,
Margia que torna livre a poesia,
E faz o verbo pensar em calma,

Esse vento do amor que não cessa,
Vão diminuindo a nossa pressa,
O esquecimento do tempo é melhor poema,
Pois amar devagarinho vale a pena.

Essa chuva de amor que molha a alma,
Faz um rio de corpo, mar de beijos,
Sacode os nossos desejos,
Anima a vida pra querer setecentas vezes amar.

Manu Kelé!

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Céu da imaginação

Não aguento o peso das estrelas no meu pensamento,
Mas elas são tão lindas,
Mas elas têm tanta luz,
Pensamento de poeta as vezes é fraco,
Pensamento de poeta é quase loucura,
Imaginação pura,
Pesa estrelas,
Esfria corações,
Inventa emoções,
Só pra clarear o céu da imaginação!

Manu Kelé!