sábado, 30 de janeiro de 2016

Pobre poeta

Quando não controlo os sentidos por tua falta
Ela arde na saudade
Doí no verso
Me torno confesso
Sem explicação da razão ou ciência
Pobre poeta necessitado
Da tua presença.

Manu Kelé!

Nenhum comentário:

Postar um comentário