domingo, 14 de fevereiro de 2016

Resistente

O calor da tarde esfria as minhas palavras
Que estão vulcânicas de paixão
Ainda bem que o meu coração cardiopata
É resistente
Pois essa paixão renitente
Parece que quer durar uma eternidade.

Manu Kelé!

Nenhum comentário:

Postar um comentário