domingo, 27 de março de 2016

Até o meu infinito

Quero amar até o tempo do meu infinito ...
Despojado de crivos e amarras
Totalmente liberto solto
Das garras do egoísmo individualismo
De todos os ismos que provoquem o desamor.

Manu Kelé!

Nenhum comentário:

Postar um comentário