sábado, 1 de dezembro de 2012

Juízo no quengo

A lua atravessa a rua,
Brilha minha retina,
No amor e na esquina,
Meu tempo adormeceu.

Então o verso nasceu,
O coração se preparou,
Todo universo girou,
A esperança ascendeu.

Era azul quase dezembro,
Novo juízo no quengo,
Digo não me arrependo,
Continuarei o mar de amar!

Manu Kelé!


Nenhum comentário:

Postar um comentário