sexta-feira, 26 de julho de 2013

Como?

Como entender o desejo?
como olhar pras asas da borboleta e não sentir as cores?
Como sarar a dor de não poder dizer te amo?
Como te chamo nos sonhos, entre sois e devaneios?
Como resistir a fantasia?
Como não sentir a alegria de ver tua beleza? que entra na retina e sai poesia impensada, sem exatas palavras ou rimas de verbos tortos que não conseguem esfriar a dor e a suavidade dessa paixão?

Manu Kelé!

Nenhum comentário:

Postar um comentário