quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Poema concreto

Um poema concreto
Não é mole nem reto
Não é comum nem disperso
Não é simples nem complexo
Não esfria na inspiração
Ele ferve no coração
E sobe em larva aos céus das palavras
Acendendo o sol da emoção.

Manu Kelé!

Nenhum comentário:

Postar um comentário