quarta-feira, 16 de julho de 2014

Avoado

Ando meio avoado,
Com poeira de palavras sobre a cabeça,
Antes que esqueça esse poema de dizer nada,
Quero que as cores das estrelas esquentem o meu sonho,
Que um medonho azul mais azul que possa existir,
Possa transbordar na minha alma,
O gosto bom de viver.

Manu Kelé!

Nenhum comentário:

Postar um comentário