quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Poesia preguiçosa

Não tem parede nem porta.
Não tem palavras, pé nem cabeça.
Te diz é nada, antes que esqueça.
Poesia preguiçosa,
Não tem espinho nem corta,
Não tem idade, não tem cidade.
Esconde-esconde, versos no ar

Manu Kelé e Eduardo Loureiro!

Nenhum comentário:

Postar um comentário